top of page
timecannabis-home-bg.jpg

TimeCannabis

Portal do grupo de pesquisa e educação sobre os temas: Sistema Endocanabinoide e aplicação de Canabinoides e Derivados da Cannabis na medicina. Fazemos parte do Laboratório de Neuroquímica da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.  Aqui falamos das pesquisas com canabinoides.

timecannabis-logo-branca.png

Sobre nós

Cannabis é
ciência e saúde

O TimeCannabis é um grupo de pesquisa e educação sobre o Sistema Endocanabinoide e as possibilidades da terapia com canabinoides e derivados da Cannabis. Somos cientistas e buscamos informar e fornecer as mais sérias evidências científicas sobre o tema. Nosso foco é divulgar informações acessíveis sobre o assunto, organizar eventos educacionais, fornecer consultorias e treinamentos.

sobre-bg.jpg
timecannabis-sobre.jpg

TimeCannabis
no Instagram

  • Qual a diferença entre o THC e o CBD?
    O Canabidiol (CBD) e Tetraidrocanabinol (THC) são fitocanabinoides provenientes da Cannabis, ambos de grande importância para os efeitos medicinais da planta e são os dois compostos mais estudados na ciência da Cannabis Medicinal. Ao longo da história, graças a inúmeros estudos científicos, foi descrito que o CBD possui a capacidade única de neutralizar os efeitos intoxicantes e adversos da Cannabis, como ansiedade, taquicardia, fome e sedação, tanto em ratos quanto em humanos. Dentre os benefícios do CBD, inclui-se a redução dos efeitos colaterais indesejados do THC, um efeito farmacológico que tem sido bastante estudado em ensaios clínicos. O CBD também demonstrou possuir atividades antioxidante, neuroprotetora, anti-inflamatória e imunossupressora, além de ser um anticonvulsivante com propriedades particulares. Sua ação direta sobre os receptores canabinoides são ínfimas, agindo mais sobre outros alvos dentro do sistema endocanabinoide e receptores de outros sistemas fisiológicos, como o TRPV1. Já o THC apresenta a farmacologia mais bem estudada dentro os fitocanabinoides, tendo mais de 100 estudos clínicos publicados. Sua ação biológica e farmacológica majoritária ocorre sobre o receptor CB1, e esta molécula apresenta atividade sobre a modulação da dor, espasticidade, sedação, apetite e humor. Além disso, é um broncodilatador, antioxidante com ação neuroprotetora, agente antipruriginoso em casos de icterícia colestática e tem 20 vezes mais poder anti-inflamatório do que a aspirina e o dobro da atividade da hidrocortisona. Entretanto, alguns artigos e relatos anedóticos apontam para efeitos prejudiciais do THC, como ação neurotóxica e prejuízo da atenção e da memória. Nos últimos anos, um conceito geral na farmacologia tem mostrado que o efeito benéfico tanto do CBD quanto do THC é muito maior quando os dois fitocanabinoides são administrados em conjunto. Sendo assim, são úteis para o tratamento de diversas doenças, especialmente as neurológicas, como epilepsia, esquizofrenia, demências e tumores cerebrais.
  • O que é o efeito comitiva?
    Na Cannabis, não se encontram apenas THC e CBD como fitocanabinoides. Diversos outros fitocanabinoides considerados minoritários também vêm sendo estudados no que se refere à atividade farmacológica, como canabigerol, canabidivarina, canabicromeno e tetraidrocanabivarina. Além disso, na Cannabis também são encontradas outras moléculas como terpenos e flavonoides. O chamado efeito comitiva foi proposto no final dos anos 1990 pelos pesquisadores Raphael Mechoulam e Shimon Ben-Shabat para explicar como outros compostos, apesar de incapazes de ativar os receptores canabinoides, eram capazes de melhorar a habilidade do endocanabinoide 2-AG em se ligar aos receptores, aumentando sua atividade. Esse conceito logo foi estendido aos fitocanabinoides, e poderia explicar como diferentes variedades de Cannabis poderiam exercer efeitos distintos. De fato, podemos encontrar na literatura de estudos científicos envolvendo produtos derivados de Cannabis relatos onde a mesma composição e concentração de fitocanabinoides não são igualmente efetivas para todas as patologias, assim como em certos casos, o uso do extrato “inteiro” apresenta maior eficácia do que o uso de um fitocanabinoide isolado. Além disso, podemos considerar que a presença de terpenos, moléculas que também possuem efeitos farmacológicos distintos, poderiam auxiliar nos efeitos exercidos pelos fitocanabinoides de uma forma sinérgica, trazendo então uma miríade de possibilidades envolvendo diferentes composições de diferentes variedades químicas da Cannabis.
  • Qual a diferença entre produtos de Cannabis broad spectrum e full spectrum?
    Quando se fala do uso medicinal da Cannabis, na maioria das vezes, o produto consumido é o óleo extraído das flores e folhas da planta. Contudo, os extratos podem ser classificados de acordo com sua composição, sendo divididos entre extratos com fitocanabinoides isolados, extratos broad spectrum ou extrato full spectrum. Os extratos mais ricos em componentes, o full spectrum, são óleos extraídos da planta onde se encontram mais de 500 compostos químicos diferentes, entre eles os fitocanabinoides, flavonoides e terpenos. A quantidade de cada componente presente neste óleo depende de alguns fatores como a variedade da planta utilizada e o método de extração. Já os extratos broad spectrum são aqueles que não contêm algum fitocanabinoide, geralmente o THC, o componente com propriedades psicoativas da Cannabis. Os extratos broad spectrum podem não conter o THC devido uma manipulação genética na planta ou por um processo químico realizado após a extração do óleo. Por fim, um bom exemplo de extrato com fitocanabinoide isolado é o uso de CBD puro, muito utilizado em pacientes com transtorno de espectro autista. Neste caso, o óleo extraído da planta passa por purificações através de métodos químicos até se obter apenas o CBD. A diferença de composição entre esses tipos de extratos influencia diretamente nos tipos de patologias para as quais eles são mais indicados para tratar, já que o fato de usar diferentes compostos da Cannabis, combinados ou não, influencia no efeito comitiva que essas moléculas podem apresentar quando usadas juntas.
  • O que é Endocanabinoidoma ou Sistema Endocanabinoide Expandido?
    A descoberta dos fitocanabinoides nos anos 1960 levaram à descoberta de um sistema modulatório pleiotrópico, capaz de atuar na regulação da homeostasia e patologia de diversos tipos celulares, tecidos e sistemas, o chamado sistema endocanabinoide. A princípio, a denominação do sistema endocanabinoide englobava os receptores canabinoides tipo 1 e tipo 2 (CB1 e CB2), os endocanabinoides, lipídeos bioativos que atuam como agonistas endógenos desses receptores, e as enzimas de síntese e degradação desses endocanabinoides. Com o passar dos anos e o desenvolvimento de centenas de estudos acerca do sistema endocanabinoide, descobriu-se que esse sistema não era um sistema “fechado”: os endocanabinoides são capazes de ativar outros alvos moleculares além do CB1 e do CB2, e diversas outras enzimas catabólicas e/ou anabólicas podem atuar sobre seu metabolismo, da mesma forma que as enzimas consideradas pertencentes ao sistema endocanabinoide podem degradar ou sintetizar outras moléculas fora desse sistema. Essa “promiscuidade” levou à criação do termo Endocanabinoidoma ou Sistema Endocanabinoide Expandido, e vem ampliando o campo de estudo de diversas moléculas provenientes da Cannabis, uma vez que novos alvos farmacológicos podem ser estudados dentro de uma determinada patologia.

Quer saber mais sobre o nosso time?

Entre em contato pelo email contatotimecannabis@gmail.com

bottom of page